Você está em Ajuda > Artigos

O Lúdico como ferramenta no ensino da Matemática

Luciana Verêda da Silva
Clenilson Panta Angelim

Resumo

O presente trabalho foi desenvolvido com base em pesquisas bibliográficas, exploratórias, teóricas e qualitativas. Tem como principal objetivo fazer uma análise e reflexão sobre a importância de se trabalhar com o lúdico no ensino de matemática, enfatizando principalmente as contribuições encontradas nesse processo, reforçando que o lúdico pode e deve ser uma ferramenta positiva no ensino da matemática. Ressalta suas contribuições nas aulas de matemática, tanto para o professor quanto para a criança, principalmente nos primeiros anos do ensino (infantil e fundamental I), sabendo que o lúdico beneficiará de maneira significativa para o desenvolvimento intelectual e potencial de cada criança. Apresentar ainda que através do lúdico inserido no ensino de matemática, irá trazer um resultado positivo com relação ao aprendizado das crianças, pelo brincar. Conceituar o termo Lúdico como sendo qualidade daquilo que estimula através da fantasia, do divertimento ou da brincadeira, na visão de alguns autores reforçar esses conceitos percebendo o quanto o ato de brincar é importante para o desenvolvimento intelectual e cognitivo dos estudantes ainda crianças, mas ainda citar alguns jogos que auxiliam no processo de alfabetização matemática, bem como suas contribuições nessa área do conhecimento matemático.

Palavras-chave: Lúdico, Aprendizagem matemática, e Educação matemática.

Introdução

Durante muito tempo, a matemática foi transmitida de forma que os alunos passaram a ficar apreensivos, com receio da disciplina, e ainda hoje é visível este desânimo pela matemática por parte dos estudantes.

O que levou a analisar o tema “O lúdico como ferramenta no ensino da matemática” foi o fato de querer reforçar ainda mais a importância de se trabalhar com atividades lúdicas no ensino de matemática, ressaltando suas contribuições tanto para o professor quanto para a criança. Hoje, o educador pode e deve utilizar o lúdico nas diferentes situações dentro da sala durante suas aulas de matemática, porém nem sempre vemos educadores que estão dispostos a mudar sua metodologia, deixando de lado um método tradicional para seguir uma postura lúdica, incluindo os jogos e brincadeiras em suas aulas, mesmo sabendo que o jogo no ensino de matemática pode ser utilizado como um instrumento norteador que facilita o processo de ensino e aprendizagem do aluno na disciplina em questão. O lúdico beneficiará de maneira positiva para o desenvolvimento intelectual e potencial de cada criança, onde compete ao professor intervir de forma adequada sem interferir na criatividade dela.

Segundo Zatz Halaban (2006), brincar é essencial para a criança, pois é deste modo que ela descobre o mundo à sua volta e aprende a interagir com ele. O lúdico está sempre presente, o que quer que a criança esteja fazendo. Dessa forma o ensino de matemática tem sua importância na vida do educando, e bem antes de sua entrada nas instituições a criança já está em contato com a matemática, pelo simples fato de que ela está presente em muitas situações em nosso cotidiano. Dantas, Rais, Juy (2012, p. 08) reforça que:

A criança já traz para a escola alguns “conceitos” numéricos que ela já estabelece singularidade, pois são usados em seu dia a dia, como por exemplo, o número da sua casa e que cabe a escola o papel de incentivar a criança para que ela se aproprie do sistema de numeração de forma prazerosa e satisfatória. A criança precisa ter noção de sequência numérica para poder utilizar. (Dantas, Rais, Juy 2012, p. 08).

Mas, ao ingressar numa instituição, os estudantes começam a conhecer uma matemática que para eles não tem significado, cheia de regras e fórmulas, bem como fora do seu contexto social. Os mesmos começam a ter uma visão diferente sobre o ensino da matemática, dizendo ser uma disciplina difícil, e acabam por se sentirem incapazes e impossibilitados de aprenderem, o que lhe é transmitido pela forma como lhe é transmitida.

O presente trabalho pretende mostrar que através do lúdico inserido no ensino de matemática, principalmente nas séries iniciais, poderá ter um resultado positivo com relação ao aprendizado das crianças, pelo brincar. Brincadeira essa com o intuito de melhorar o raciocínio lógico da criança de forma divertida e criativa, e amadurecer esse pensamento na mente do educando que esse brincar não é pra passar o tempo, como reforça Kishimoto (1998) quando diz que “o jogo não pode ser visto apenas como divertimento ou brincadeira para gastar energia, pois ele favorece o desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo, social e moral". Fazer com que o aluno descubra e entenda que a matemática pode ir além dos cálculos e das fórmulas, aderindo uma forma também prazerosa ao ato de ensinar e que pode ser sentido pelos estudantes ao perceberem que essa prática está sendo repassada pelo professor.

De acordo com Cunha, “O Brincar desenvolve as habilidades da criança de forma natural, pois brincando aprende a socializar-se com outras crianças, desenvolve a motricidade, a mente, a criatividade, sem cobrança ou medo, mas sim com prazer” (Cunha 2001, p.14).

O lúdico é a brincadeira, o entretenimento das pessoas envolvidas, o jogo, a diversão. É pelo brincar e através dele que o estudante se desenvolve e é sob esse pensamento que será desenvolvido esse trabalho, para que o aprendizado de matemática se torne ainda mais atrativo, divertido e que desperte o interesse das pessoas envolvidas, professores/alunos.

Conforme CORBALÁN, apud ALSINA,

Ensinar e aprender matemática pode e deve ser uma experiência com bom êxito do sentido de algo que traz felicidade aos alunos. Curiosamente quase nunca se cita a felicidade dentro dos objetivos a serem alcançados no processo ensino-aprendizagem, é evidente que só poderemos falar de um trabalho docente bem feito quando todos alcançarmos um grau de felicidade satisfatório. (CORBALÁN, apud ALSINA, 1994, p. 14).

Essa satisfação deve ser de ambas as partes, não terão aprendizado se somente o professor demonstrar interesse, o professor deverá buscar estratégias que chame a atenção do estudante para que ele sinta-se atraído pelo que está sendo visto, e que encontre significado naquilo que está sendo repassado pelo educador.

Com base em pesquisas em sites e estudos em trabalhos relacionados ao tema, o presente trabalho está organizado em subtítulos que apresentarão desde a definição do termo Lúdico, se referindo a brincadeiras, a momentos de diversão, onde estão incluídos os jogos, brinquedos e, brincadeiras, por ser um aliado e está auxiliando nas aulas de matemática, tornando-as mais agradáveis e prazerosas, tanto para o aluno, como para o professor.

Mais adiante, a importância do lúdico no ensino de matemática, principalmente nas séries iniciais, destacando as contribuições no auxílio das aulas de matemática, bem como distanciar dos estudantes o bloqueio que sentem pela disciplina e que se consideram incapazes de aprendê-la. Logo após, falar sobre as contribuições dos jogos no processo de alfabetização matemática, buscando estratégias que facilitem nesse processo e que consigam com que seus alunos permaneçam concentrados em suas aulas, sem que fiquem estressados, cansados e reconheçam as aulas como atrativas e o professor demonstre ainda mais motivação naquilo cujo qual está exercendo.

Próxima página >>