Rafael Bombelli

Rafael Bombelli foi um algebrista italiano que nasceu em janeiro de 1526 em Bologna (Itália) e morreu em 1572, provavelmente em Roma, Itália. Talvez tenha sido o matemático mais importante da Itália, sendo pioneiro no estudo sobre os números imaginários. Sua principal publicação sobre álgebra (Algebra), composta de cinco volumes, só foi editada no ano seguinte a sua morte (1573).

Era o mais velho dos seis filhos de Antonio Mazzoli, cuja família havia chegado a Bologna no século anterior (1443). Com o controle da cidade tomado de Giovanni II Bentivoglio pelo papa Júlio II (1506), seu pai envolveu-se numa tentativa de retomada do poder pelos antigos governantes. Porém, foram derrotados, sua família foi exilada e todos seus bens foram confiscados. Após vários anos de exílio os Mazzoli foram perdoados e Antonio Mazzoli pode voltar para Bologna, recuperar as propriedades da família e se tornou um bem-sucedido negociante no ramo de lãs. 

Embora sem educação universitária, mudou seu nome para Bombelli, na tentativa de disfarçar sua descendência e, depois de várias atividades menores, passou a trabalhar para um nobre romano, Alessandro Rufini, futuro bispo de Melfi. Neste período interessou-se por matemática e envolveu-se na coqueluche da época, que era a solução das cúbicas e quárticas, envolvendo del Ferro, Fior, Tartaglia, Cardano e Ferrari, teminando com o encontro entre Ferrari e Tartaglia, em Milão (1548). Estudou matemática com o professor Pier Francesco Clementi (1548), e quando seu patrão adquiriu os direitos sobre a região do Val di Chiana (1549), que passara a pertencer aos Estados Papais, ele foi encarregado de demarcar as fronteiras (1551-1555), quando teve de interromper os serviços pao causa de uma reclamação dos vizinhos fronteiriços. 

Foi nesse período, enquanto aguardava o recomeço das demarcações, que resolveu escrever seu famoso livro de álgebra, partindo dos estudos de Cardano. Ele começou a escrevê-lo quando o trabalho em Val di Chiana ainda estava suspenso (1557). Quando o trabalho recomeçou (1560) o livro ainda estava sendo escrito. Após uma visita ao professor da Universidade de Roma, Antonio Maria Pazzi, este lhe mostrou um manuscrito de Diofanto, Aritmética, que o deixou encantado e os dois resolveram fazer uma tradução. 

Porém, no seu livro III, a despeito de 143 dos 272 problemas existentes serem baseados nos escritos de Diofanto, ele não deu os devidos créditos ao grande matemático grego. Desafortunadamente morreu, provavelmente em Roma, antes de completar os livros IV e V. O pesquisador Bortolotti encontrou seus manuscritos numa biblioteca de Bologna (1923) e republicou seus cinco livros (1929), uma contribuição fundamental para o estudo dos números complexos. Em sua álgebra ele escreveu, por exemplo: 

MAIS vezes MAIS é igual a MAIS; 
MENOS vezes MENOS é igual a MAIS; 
MAIS vezes MENOS é igual a MENOS; 
MENOS vezes MAIS é igual a MENOS; 
+RAIZ QUADRADA DE -n . +RAIZ QUADRADA DE -n = - n; 
+RAIZ QUADRADA DE -n . - RAIZ QUADRADA DE -n = +n; 
- RAIZ QUADRADA DE -n . +RAIZ QUADRADA DE -n = +n; 
- RAIZ QUADRADA DE -n . - RAIZ QUADRADA DE -n = - n. 

Exemplos das notações empregadas por Bombelli:

Em seu trabalho, descreveu a adição, subtração e multiplicação dos números complexos e forneceu a correta solução das cúbicas empregando a fórmula de Cardano-Tartaglia sempre que ocorressem situações com raizes quadradas de números negativos. Outra admirável contribuição foi a notação empregando símbolos em suas expressões matemáticas. 

Fonte: A foto e as informações foram retiradas do MacTutor History of Mathematics archive
(http://www-history.mcs.st-andrews.ac.uk)
.

Como referenciar: "Rafael Bombelli" em Só Matemática. Virtuous Tecnologia da Informação, 1998-2018. Consultado em 19/12/2018 às 14:19. Disponível na Internet em https://www.somatematica.com.br/biograf/bombelli.php