Ensino Fundamental
 Ensino Médio
 Ensino Superior
 Trabalhos de Alunos
 Matemática Financeira
 Estatística
 Biografias Matemáticas
 História da Matemática
 Laifis de Matemática
 Softwares Matemáticos
 Softwares Online

 Shopping Matemático
 Só Vestibular
 Super Professor

 Só Exercícios
 Desafios Matemáticos
 Matkids
 Provas de Vestibular
 Provas Online

 Área dos Professores
 Comunidade
 Fóruns de Discussão
 Artigos Matemáticos
 Dicionário Matemático
 FAQ Matemática
 Dicas para Cálculos

 Jogos Matemáticos
 Mundo Matemático
 Histórias dos Usuários
 Curiosidades
 Absurdos Matemáticos
 Pérolas da Matemática
 Paradoxos
 Piadas
 Poemas
 Palíndromos

 Indicação de Livros
 Símbolos Matemáticos
 Frases Matemáticas
 Fale conosco

Busca geral

Pesquisa em todas as seções do site.


Gostou do site?

Recomende-o para um amigo.

Seu nome:

Nome do seu amigo:

E-mail do seu amigo:


Indicação de livros

Consulte periodicamente as obras indicadas.


A HIPÓTESE DE RIEMANN E A INTERNET (I)

 Em 1740, o matemático suíço Leonhard Euler (1707-1783) introduziu a função Zeta:

  .

A função Zeta é uma série infinita que converge para todo número real s > 1 e Euler demonstrou que ela se expressa como um produto infinito convergente, atualmente conhecido como produto de Euler,

 

 onde o produto é tomado sobre todos os números primos pn. Sendo assim temos:

  .

Em 1859 o matemático alemão Bernhard Riemann, um dos pioneiros da matemática atual, tratou a função Zeta como uma função de uma variável complexa z. Por esse motivo, a função é conhecida como função Zeta de Riemann.

A função Zeta não possui zeros na região do plano complexo onde Re(z)  1;              se        Re(z)  0     os seus zeros são z =  - 2, - 4, - 6,...; e ela possui infinitos zeros, chamados  zeros não-triviais, na região do plano complexo 0 < Re(z) < 1.

Riemann conjecturou que os zeros não triviais se encontram na reta Re(z) = ½.

Essa conjectura é chamada de Hipótese de Riemann. A demonstração do Teorema do Número Primo por Hadamard e de la Vallée-Poussin, em 1896,  tinha um raciocínio crucial mostrando que  quando Re(z) = 1, ou seja, a função Zeta não possui zeros na reta  Re(z) = 1.

Em 1914, o brilhante matemático britânico Godfrey Hardy  demonstrou que infinitos zeros da função Zeta se encontram na reta Re(z) = ½. Sabe-se que os primeiros 1,5.109 zeros na região 0 < Re(z) < 1 estão todos na reta Re(z) = ½. Entretanto, aguarda-se uma demonstração da Hipótese de Riemann.

Essa conjectura é considerada um dos maiores e mais interessantes problemas em aberto de toda a Matemática, pois, além de revelar um conhecimento profundo da distribuição dos números primos, ela também está relacionada a um dos problemas atuais da maior importância: a segurança na internet.

Quando escrevemos uma carta de instruções para compra de ações, ou fazemos uma transação bancária em um caixa eletrônico, dependemos do conhecimento matemático sobre o comportamento dos números primos, para manter a segurança do sistema.

Por outro lado uma demonstração da Hipótese de Riemann poderia levar a grandes conquistas na investigação da fatoração de números grandes e colocar em perigo as técnicas utilizadas atualmente para manter a segurança da rede mundial de computadores.

A questão de se manter uma mensagem secreta, de tal forma que somente o destinatário almejado possa compreendê-la, é um problema antigo, especialmente se pensarmos em questões militares, diplomáticas ou comerciais. A maneira encontrada, para que alguém não autorizado que tenha acesso a uma mensagem não a compreenda, foi cifrá-la.

A criptologia é a disciplina que lida com os sistemas sigilosos e as suas origens remontam à Antiguidade Clássica, quando os gregos propuseram a seguinte solução: um escravo mensageiro tinha os seus cabelos raspados e a mensagem copiada em seu couro cabeludo. Após o crescimento do cabelo, ele era mandado ao destino da mensagem. O destinatário raspava o cabelo do escravo e lia a mensagem. É claro que sempre havia a possibilidade de o escravo ser interceptado pelo inimigo.

O imperador romano Júlio César propôs uma outra solução, denominada atualmente de cifra de César, para tornar secretas as mensagens que enviava para seus generais em missões na Europa. 

A mensagem escrita era modificada de modo que cada letra da mensagem era transformada em três letras seguintes do alfabeto latino e as três últimas letras correspondiam às primeiras do alfabeto da seguinte maneira: D corresponderia a A, E corresponde a B, ... , Y corresponderia a V, ... , A corresponderia a X, ... , C corresponderia a Z.

Dessa maneira, a famosa frase de Júlio César “VENI.VIDI.VICI.” (“Vim. Vi. Venci.”) tornava-se “YHQL.YGLG.YLFL.” Júlio César inventou, portanto, um dos primeiros cripto-sistemas.

A criptografia é uma disciplina dentro da criptologia que lida com o projeto e implementação de sistemas sigilosos e a cripto-análise é a disciplina que lida com a decifração desses sistemas sigilosos.

Cifrar é o procedimento de transformar uma mensagem em um texto cifrado. Ou seja, modificam-se as letras da mensagem por meio de uma transformação especificada. A chave determina uma transformação particular de um conjunto de transformações possíveis.

O processo inverso de cifrar é conhecido como decifrar ou decifração. O destinatário desejado da mensagem possui o método para fazer a sua decifração. Esse processo é diferente do processo que alguém, que não seja o destinatário desejado, utiliza para tornar a mensagem inteligível, processo chamado de cripto-análise.

Um cripto-sistema é constituído de um conjunto de mensagens admissíveis, um conjunto de mensagens cifradas possíveis, um conjunto de chaves, onde cada chave especifica uma função criptografia particular, e as suas correspondentes funções decifração.

Devido à possibilidade de se interceptar mensagens e decifrá-las, houve um esforço muito grande, por parte dos cientistas, para se desenvolver métodos seguros. Em geral, nos cripto-sistemas atuais,     o procedimento de cifrar consiste em um programa computacional, ou um chip, e uma chave consiste em um número escolhido secretamente.

A chave escolhida é imprescindível para cifrar a mensagem e o texto cifrado resultante só poderá ser decifrado com o auxilio de outra chave secreta e exclusiva de um único usuário do cripto-sistema. Dessa forma, o programa que cifra pode ser usado por muitas pessoas e por um certo período de tempo, pois a segurança é “garantida” pela chave secreta e exclusiva.          

Nos primeiros sistemas com chave, as pessoas que desejavam comunicar-se possuíam uma chave comum. Essa condição trouxe algumas desvantagens. Por exemplo, as transações comerciais ou bancárias envolvendo pessoas de diferentes partes do globo se mostraram inviáveis, pois, para manter o sistema seguro, as pessoas tinham que concordar quanto a uma chave comum, mas como se comunicar secretamente para escolher a chave?

Na década de 70, a noção de chave pública criptográfica foi introduzida e com                   o desenvolvimento dos cripto-sistemas de chave pública houve um grande progresso. As principais características desse sistema são a chave pública, a simplicidade e a eficiência, pois, a dificuldade para se violar uma mensagem cifrada é muito grande. Essa idéia foi proposta em 1976 pelos matemáticos Whitifield Diffie e Martin Hellman.

Na criptografia de chave pública, duas chaves são exigidas, uma para cifrar e outra para decifrar. Suponhamos que um novo usuário X obtenha o programa padronizado usado por todos os membros de uma certa rede. O usuário X gera duas chaves: uma chave para decifrar mensagens, que ele mantém secreta, e uma outra chave que ele utiliza para cifrar mensagens a serem enviadas para ele por qualquer outra pessoa da rede. Essa última ele publica em um diretório dos usuários da rede.

Sendo assim, para enviar uma mensagem a X, o que se deve fazer é procurar a chave pública dele, cifrar a mensagem, usando essa chave, e enviá-la. Para decifrar a mensagem não basta conhecer a chave pública, que inclusive está disponível para qualquer pessoa. É necessário, também, conhecimento da chave que a decifre, que é conhecida apenas por X.

Inúmeros métodos foram desenvolvidos para se implementar a idéia de Diffie e Hellman, porém, a que recebeu maior apoio e que permanece até hoje como padrão foi obtida por Rivest, Shamir e Adleman. Esse cripto-sistema, denominado RSA devido às iniciais de seus autores, é o sistema criptográfico de chave pública mais utilizado.                  

A segurança é baseada na fatoração de números inteiros. X escolhe dois números primos p e q, cada um tendo pelo menos 100 dígitos. Esses primos são gerados aleatoriamente por computadores para que não haja violação do sistema. A chave secreta de decifração consiste nesses dois números primos.     A chave pública que cifra é o produto n = pq desses primos. Como não há método rápido para se fatorar completamente números inteiros grandes, o sistema se mantém seguro porque, como ninguém consegue descobrir p e q, digamos, em menos de um  ano, dá tempo de terminar a transação sem a interferência de intrusos.

Na próxima coluna voltaremos a esse tema apaixonante quando introduziremos a aritmética modular necessária para se entender com mais detalhes o cripto-sistema RSA.

Curta nossa página nas redes sociais!


Chegou o DVD Matemática nas Profissões. Detalhes.

 

Mais produtos